terça-feira, 30 de novembro de 2010

Empresários e políticos criticam carga tributária do Brasil

Empresários e políticos brasileiros participaram, na manhã do último sábado (27), do 1º Fórum Econômico de Barueri, em São Paulo, onde discutiram os rumos e as perspectivas do desenvolvimento do país para os próximos anos. 

Segundo o empresário João Dória Jr., presidente do LIDE (Grupo de Líderes Empresariais) - responsável pelo evento -, a realização do fórum em Barueri teve como objetivo valorizar uma das regiões de maiores índices de crescimento econômico do país. De acordo com o empresário, a cidade tem o quarto maior PIB (Produto Interno Bruto, soma das riquezas do país) de São Paulo e o 13º do país. Durante a abertura das palestras, pela manhã, que contou com a presença do ex-ministro da Fazenda Maílson da Nóbrega e do ex-ministro Luiz Fernando Furlan (Desenvolvimento, Indústria e Comércio), o empresário criticou o aumento da carga tributária no país. - Nós precisamos de eficiência na utilização da carga tributária. 

Desenvolver melhor o que já se recolhe é melhor que a cômoda alternativa de buscar um aumento na carga tributária. Já o secretário de governo do Estado de São Paulo, João Carlos Maranha, disse que as taxas cobradas no Brasil são de "arrepiar", e essa deve ser uma das principais preocupações do próximo governo. - De 2007 até 2009, o Brasil manteve o ritmo de crescimento econômico, embora precise melhorar os quadros sócio culturais e ambientais. 

O prefeito de Barueri, Rubens Furlan, também destacou que, com menos impostos, o consumo interno do país aumentará, o que, segundo ele, irá melhorar a condição de vida da população. - Aqui em Barueri fazemos como os empresários: do que faturamos, tira-se as despesas e com o que sobra se investe. é assim que se consegue a prosperidade. No próximo ano, o salário mínimo na cidade será de R$ 1.000. De acordo com o ex-ministro Furlan, o Brasil tem o potencial para ser uma das maiores economias do mundo, mas precisa reduzir a carga tributária. Durante sua palestra, ele ressaltou que o século 21 é "verde" e que o Brasil tem um grande "tesouro", que é a Amazônia. - Podemos ter uma Copa do Mundo e Jogos Olímpicos com carbono zero e melhorar nossa imagem como economia verde.

CPMF e o futuro do Brasil A possível volta da CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira), tributo extinto pelo Senado em 2007, foi um dos assuntos centrais durante a primeira palestra do ex-ministro da fazenda, que cobrou mobilização da sociedade para impedir o retorno do tributo. - A CPMF é uma coisa horrorosa. E é uma ilusão pensar que ele só atinge os ricos. Ele atinge a classe média também, que tem que pagar seu aluguel e todas suas contas. Se o governo não der ouvidos à opinião pública, o Senado pode aprovar o imposto. Nóbrega ainda afirmou ainda que o Brasil cresce em um ritmo forte, porém, ele prevê que a economia possa desacelerar nos próximos anos. 

Na opinião do ex-ministro, contudo, isso não deve afetar os níveis de emprego no país. - A taxa de desemprego é uma das mais baixas dos últimos oito anos. E em 2011 deve cair novamente. O Fórum Econômico de Barueri acontece durante todo o fim de semana. 

Fonte: http://www.contabilista-sp.com.br/site/default.asp

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens Recentes: